sábado, 14 de junho de 2008

Verão - As criações regressam

No Inverno e nesta Primavera-Outono tenho criado algumas espécies de borboletas, como devem saber. Mas como criei este blogue em Novembro, ainda não tive tempo de partilhar as minhas criações no Verão. Uma espécie de 'Larvae's Hunting'!

E com este tempo que já melhorou bastante, começo as tais criações:

Que por enquanto tenho dois ovos de Cleopatras e uma Lagarta de Borboleta Zebra.
E em Julho terei 60 Papilios Machaon o que significa em gerações contínuas deste espécie durante o Verão.

1 comentário:

PiresF disse...

Uma noticia do "Público" de hoje, que te deve interessar:

Informativo-Notícia 2008-07-04 09:46:00

Voluntários ingleses no Alvão ajudam a proteger borboleta ameaçada
Os voluntários, que pertencem à BTCV (associação inglesa de voluntariado para a conservação da natureza), chegaram ao Alvão a 25 de Junho, permanecendo neste parque natural até amanhã.

O Parque do Alvão é o único campo de acção da BTCV em Portugal, recebendo voluntários há 14 anos consecutivos.

Duarte Figueiredo, director do Departamento de Áreas Classificadas do Norte, considerou o programa como "estratégico e extremamente importante", permitindo divulgar o parque junto de um público "extremamente motivado para o turismo natural", como são estes voluntários internacionais.

Steffi Lotz é a guia do grupo que trocou umas férias na praia para virem trabalhar para o Alvão onde já sinalizaram trilhos, recuperaram muros e limparam o lameiro que acolhe a maior colónia portuguesa da borboleta azul.

"O trabalho tem sido muito variado e recompensador. E temos ainda a oportunidade de conhecer a cultura local e passear por locais como a cidade de Vila Real ou o rio Douro", salientou a responsável.

O lepidóptero Maculinea alcon, vulgarmente conhecido como Borboleta Azul, é uma espécie que se encontra ameaçada em muitos países do Centro e Norte da Europa.

Trata-se um de lepidóptero bastante frágil e com baixa tolerância a variações no ecossistema, necessitando de condições ecológicas específicas.

Necessita designadamente da presença da sua planta hospedeira, a genciana (Gentiana pneumonanthe), onde coloca os ovos, assim como da formiga do género Myrmica que a alimenta no seu formigueiro durante as últimas fases larvares.

O grupo de voluntários removeu precisamente o tojo no lameiro, junto a Lamas d'Olo, para que a planta genciana possa crescer e assim possa ser completado o ciclo da borboleta azul.

"É um trabalho útil de gestão deste espaço natural e que tem real impacto e retorno em termos do seu melhoramento", salientou Duarte Figueiredo.

As maiores ameaças para esta espécie são o homem e o gado, que destroem os lameiros onde cresce a genciana.

Visivelmente satisfeito com o trabalho desempenhado estava Ray Sidway, 61 anos, que lamenta apenas ainda não ter tido tempo para observar aves, a sua grande paixão. O voluntário inglês está reformado e, na sua terra natal, é um dos responsáveis pela conservação de um antigo bosque. Diz que está no Alvão para aprender novas técnicas para a conservação da natureza.

Ray Sidway já não é novo nas andanças do voluntariado, tendo estado há dois anos na Albânia, onde também trabalhou na área do ambiente.

O ex-professor salienta a importância de "ter uma coisa completamente nova para fazer depois de ser reformado".

A maior parte dos voluntários que anualmente chega ao Alvão tem mais de 30 anos e dedica-se aos mais diversos sectores de actividade.

Duarte Figueiredo considerou que os portugueses não estão tão motivados para o voluntariado e acrescentou que, a nível nacional, o voluntário se centra essencialmente para grupos já organizados, nomeadamente os escuteiros.

Abraço.